segunda-feira, 20 de junho de 2011

Portugal não pode tornar-se num caos. Porque já o é.

A situação de pobreza no país é tão grave, que terá de preocupar mesmo todos aqueles que tenham um bocadinho de sensibilidade.
Os casos de grande pobreza, fome e desemprego que afectam muitos milhares de familias portuguesas e de uma maneira quase geral afectam quase todos, mas ainda mais gritante é o caso da maioria dos idosos, pois a reforma mal dá para comer quanto mais para medicamentos. Na sua maioria dos casos noutros tempos, os filhos ainda ajudavam, actualmente até eles próprios precisam de ajuda...
É de dor e sofrimento, e tristeza profunda todos os dias termos conhecimento de situações de miséria, abandono e solidão.
Ainda dói mais, quando sabemos que neste nosso país  na sua grandissíssima maioria aprnas vence o egoísta e o corrupto.
Todos sabemos que as coisas por tempo indeterminado, vão continuar a piorar.
Acreditar que os ricos vão ser dotados de consciência, é o mesmo que se acreditar no País da Alice das Maravilhas.
Ou aqueles que tem um pingo  de sensibilidade se empenham , ou isto vai em cada dia tornar-se num caos ainda maior, sendo mesmo um barco sem rumo...
De nada vale, que soprem ventos favoráveis, se não souber-mos o porto em que  queremos atracar.

3 comentários:

Artur Sousa (Leiria) disse...

Corre-nos no sangue a inspiração sinonímica do fado, sem a qual não teríamos inspiração para se pôr no papel tão descritivamente o fadário do fado…
Comparando com os gregos, nós continuamos a ser um povo de garra que, se os nossos politiqueiros de gamela nos deixarem progredir monetariamente, vamos longe, ao contrário dos gregos que têm a miserável compreensão de que os pais que lhes deram a vida, e, o mundo que os recebeu, lhe devem tudo.
Como meninos ricos de berço de ouro, mas chorões que só olham ao belo prazer da vida sem que se apercebam que há sempre um preço a pagar.
Nós, na diáspora, somos trabalhadores para burro! Pena é, que não usamos mais a cabecinha em vez do cabedal… mas aí, quem trabalha por gosto não cansa, verdade?
O teu artigo é chocante para mim que, não estou 100% informado sobre a vida dos portugueses mais carentes, mas como disse em cima, se o governo o permitir ainda havemos de conseguir recuperar o país porque o espírito, a coragem e a esperança ainda são fortes…!
Viva Portugal!

TINTINAINE disse...

É isso aí! Basta nós acreditarmos e o milagre acontece. Não podemos depor as armas antes de a guerra começar!

Anónimo disse...

Como entrámos no buraco, já todos sabemos, como vamos sair dele? aceitam-se apostas, eu apostaria que não vai ser fácil, mas vou ter alguma esperança que os novos timoneiros saibam fazer os trabalhos de casa, e nos ajudem a sair deste sarilho.
Um abraço
Virgilio