sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Mas que Grande Verdade.

Portugal está a desfazer-se aos bocados, de Norte a Sul e nas calmas, ou não fosse o povo sereno.
De tempos a tempos, lá mais um pedaço de terra ou arriba abaixo, que leva a  que alguns  apelidem tal derrocada de "subsídio de natal".
Os desmoronamentos não param, e sustentar hoje a vida, estirada à sombra das gravosas medidas não é para todos.
Os portugueses, expostos constantemente a perigos e aos abalos que as receitas governamentais provocam, os riscos de escaldões que correm, as dificuldades porque 'passam e vão passar, não se descansam com um aviso sobre a possibilidade de nos vir a cair  em cim mais m aumento de impostos, mais uma queda no salário, mais um corte na saúde, numa regalia conseguida com muita luta etc.
Vivemos  quase todos num sufoco, sob a ameaça permanente e histórica, que não vem do ar mas do diabo que nos governam em S.Bento, e que agora de terço na mão , sem ponta num "pontal" por onde se lhe peguue, apela à concentração social social , num país que foi posto sem conserto, à beira quer da falésia quer da falência.

2 comentários:

Fuzo Observador disse...

Está muito bem comparada a situação das falésias com o Pais propriamente dito, de facto, já não se sabe quem vai cair primeiro, se as falésias ou o Pais, que está sem alicerces e portanto sugeito a desmoronamento.
Um abraço
Virgilio

Piko disse...

A esperteza deu nisto! Puseram-se a governar-se e a desgovernar o país real e agora estão no poder para tentar segurar as benesses que entre eles foram acumulando e distribuindo!
Desde a mesma época (anos oitenta)lá longe na China imensa, um outro "artista" neste caso chinês, recorria à velha metáfora "O que importa é ter gato para caçar, preto ou branco tanto faz"...
Só que a globalização está a trazer até à velha Europa a aplicação daquela velha táctica e que já está a causar os seus prejuízos nas classes trabalhadoras... Ou seja, o homenzinho chinês na altura em que tanto puxou pela cabecinha na mira de encontrar uma solução que lhe ajudasse a resolver parte dos muitos problemas, estaria longe de pensar, que volvidos menos de trinta anos, viesse a contaminar os mercados de trabalho e as relações laborais em Portugal e na velha Europa...
Está a ficar uma moenga!...
Para facilitar proponho a leitura no blogue:
(piko-historiascurtas.blogspot.com

Um abraço!