sábado, 13 de agosto de 2011

Povo nobre... Posso e devo reclamar

Fomos um pobre nobre onde elegeram heróis e deusaram Santos, mas simultaneamente, tambem elegeram sempre maus governantes que ao longo dos séculos, sempre se aproveitaram das riquezas, para eles e para os seus amigos, deixando o Zé povinho: -Analfabeto, Embrutecido e na mais penosas miséria, atribiuindo a uma maioria o estatuto de mendigo..
Foi quase  sempre assim, e continuam com este método a levar a água ao seu moinho, com hipócrisias repugnantes disfarçadas  em beneméritos distribuidores de umas escassas migalhas aos pobres, no intuito de  os calar perante todas as injustiças e depois em altura de eleições, lhes fazerem umas tantas promessas e estes lhe pagar com o seu voto, para apregoarem aos sete ventos que são eleitos pela vontade de um povo.
Veja-se o exemplo deste governo em dito tempo de crise, passarem de nove para onze os administradores da Caixa Geral de Depósitos, apenas e só para servir de bandeja a sua clientela.
Para terem mais possibilidades de acertarem e como se não bastasse os anunciados cortes e impostos ainda nos brindam com mais orçamentos rectificativos.
Perante todo este cenário a Igreja reinate vai "reinando", proferindo, aqui e além umas frases feitas e de ccircunstância, como aqueelas pronunciadas pelo Cardeal e o reitor do Santuário de Fátima, quem sabe se a querer fazer crer que não há pobres, nem culpados pela situação a que nos conduziram.
Louvável as vozes  discordantes dessa mesma igreja, como a do bispo D. Januário e de frei Fernando Ventura a darem voz aos pobres, os verdadeiros destinatários do Evangelho.
Mas que rápidamente foram abafadas.
Quase tudo o que fazemos poderá parecer não ter importância mas é importante que o façamos.

1 comentário:

edumanes disse...

Povo nobre e valente!...
Nossos direitos reclamar!
Com este governo descontente
Nosso pão nos vai tirar.
É mais um aldrabão
Que a outros se veio juntar
Fantoche peneirento
Mais um que nos vem roubar
Toda a vida corremos contra a vento.
Bom fim de semana,
Um abraço
EDUARDO.