segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Mentiu, Mentiu e Mentiu. Que vá mentir ó Carvalho


MENTIU!
Passos.jpg 
Passos Coelho disse que chumbava o PEC IV do anterior Governo porque não se podia pedir mais sacrifícios aos portugueses. Afinal podia-se. Mentiu.
Outra razão para o chumbo do PEC IV era que o partido tinha sido apanhado de surpresa com as medidas lá constantes. Afinal conhecia-as e em detalhe, depois de uma reuinão de quatro horas com Teixeira dos Santos. Mentiu.
Durante a campanha, defendeu sempre a redução da Taxa Social Única, garantindo que era uma medida acertada e que o seu governo iria levá-la adiante. Logo que tomou posse, informou que iria criar uma comissão de análise e avaliação da medida proposta. Ou seja, afinal não tinha tanta certeza sobre a bondade da medida. Mentiu.
A 1 de Abril, dia das mentiras e em plena campanha eleitoral, garantiu que era uma parvoíce cortar nos subsídios (férias e Natal). Logo que tomou posse, aplicou um corte no subsídio de Natal, mesmo para quem não o aufira (como é o meu caso, enquanto trabalhador independente). Mentiu.
Este corte no subsídio, que não é mais do que um imposto extraordinário (enquanto os empresários pagam menos impostos, com a redução da TSU, os trabalhadores pagam mais), foi justificado com a evolução da situação económica. Ora, esta medida até já estava prevista no programa de governo do PSD e já tinha sido discutida (como revela o Expresso) na semana passada, ainda antes de serem publicamente conhecidos os números de execução orçamental, suposto motivo para o imposto. Mentiu.
Passos Coelho justificou ainda este imposto com os números de execução orçamental do primeiro trimestre deste ano. Mas sucede que esses números já eram conhecidos quando a troika cá veio e analisou as nossas contas. O PSD e o CDS ficaram, então, a conhecê-los. E assinaram o memorando. Mentiu.
Passos Coelho prometeu cortar nas despesas. Iria reduzir o número de Ministros, para o efeito. Dos dezasseis do anterior governo, passámos a ter onze. Secretários de estado, que eram vinte e cinco, passaram a ser trinta e cinco. Ou seja, mais despesa. Mentiu.
Uma das primeiras medidas de Passos Coelho foi passarem os elementos do governo a viajar em classe económica. Afinal, já não pagavam os bilhetes, foi uma medida para eleitor ver. Mentiu.
Passos Coelho disse que não iria contratar boys para o governo. Miguel Relvas e Marco António Costa, dois dos elementos fortes do aparelho social-democrata, foram dos primeiros a ser contratados, seguindo-se assessores contratatos a blogues apoiantes, premiando as batalhas blogosféricas travadas nos últimos anos. E as nomeações dos boys PSD/CDS para a Caixa Geral de Depósitos, e não só? Mentiu.

3 comentários:

António Querido disse...

Se não tivesse mentido, não era Político, nem Português!
Todos os Políticos são grandes mentirosos.

Fuzo Observador disse...

Pois é Amigo Valdemar, parece que ainda não é desta que chega ao poder alguém com estofo para bem servir,calculo que as coisas não estão fáceis, mas um Politico que aspira ser Primeiro Ministro, tem que estar preparado quando esse momento chega, e não foi o caso, agora é que anda á descoberta do caminho para lá chegar, quando já chegou faz tempo.
Um abraço
Virgilio

edumanes disse...

Este passos mentiu,
As verdades não disse
Alguém o permitiu
Também houve quem não visse.

Este é para esquecer.
Agora vou falar de ti
O blog, do Carlos fui ver
Ao passar por lá eu li.

Que tua saúde não está bem,
Não te deixes vencer amigo
Recupera depressa também
Todos estaremos contigo,

Amigo Valdemar te desejo rápida recuperação.
Para que sempre nos acompanhes.
Com os teus maravilhosos textos
e comentários.
Com saúde, paz e alegria.

Um grande abraço cheios de esperança e fé.
Eduardo.