sábado, 17 de setembro de 2011

De : Agostinho Teixeira Verde

Para o meu grande amigo, Valdemar

Escutar a voz da razão
Que nos fala de amizade
Que brota do coração
Com enorme ansiedade
Encontramos sempre um Irmão
Que só diz verdade...
Porque no seu mundo
Com seu modo de viver...
Conserva o amor profundo
Enqunto cá estiver...
Que reparte com os amigos
Perfilhando o sentimento
Que no peito sem abrigos
Nos alveólos bem dentro
Dum amável coração
Correndo contra o tempo
Duma forte emoção
Não tira o pensamento
Dum abraço ao Valdemar...
Que recostado no travesseiro
Recordar sem cessar
O seu perfil de Marinheiro...
Deslizando as águas calmas
De Mar de rosas sem perigo
Que haja paz nas almas
Naquele abraço amigo..


Transcrito com a devida Vênia do Filho da Escola Agostinho Teixeira Verde.

5 comentários:

TINTINAINE disse...

Como sempre, o Verde é o maior nas rimas.
E o Valdemar está de parabéns por ser o destinatário de tais versos.
Abraço aos dois!

Agostinho Teixeira Verde disse...

Quero muito sinceramente dizer-vos que enviei este poema ao Valdemar e que ele ao transcrevê-lo para o seu Blogue/Gaivotas do Niassa o deixou incompleto por mero descuido. Assim, ao colocá-lo no meu Blogue Coisas do Verde, tentei repor a verdade, dando-lhe o completo sentido que me parece mais adequado às ideias que nele procurei inserir.

Escutar a voz da razão
Que nos fala de amizade
Que brota do coração
Com enorme ansiedade
Encontramos sempre um irmão
Que só diz a verdade...
Porque no seu mundo
Com seu modo de viver
Conserva o amor profundo
Enquanto cá estiver...
Que reparte com os amigos
Perfilhando o sentimento
Que no peito fazem abrigos
Nos alvéolos, bem dentro
Dum amável coração
Correndo contra o tempo
Duma forte emoção
Não tira do pensamento
Aquele que é mesmo irmão...
E, sentindo a fresca brisa
Sacudida pelas ondas do mar
Ao encontro de quem precisa
Dum abraço ao Valdemar...
Que recostado no travesseiro
Recorda sem cessar
O seu perfil de Marinheiro...
Deslizando nas águas calmas
Do mar de rosas sem perigo
Que haja paz em nossas almas
Naquele abraço amigo...


Verde

Fuzo Observador disse...

Gostei Amigo Verde, e com a dedicatória ao Amigo Valdemar, ainda lhe dá maior valor, pois é bem merecedor, pelo que tem lutado em prol dos outros.
Bem hajam os dois
Um abraço
Virgilio

Anónimo disse...

Peço desculpa, mas amigo Verde limitei-me a transcreveer o Comentário e gostei tanto que o li na Caminhda na presença do Tintinanine.
É uma honra poder contar-vos como grandes amigos.
Nota vou transcrevê-lo completo.
Obrigado Valdemar Marinheiro.

edumanes disse...

Escuta amigo Agostinho
Que falas de amizades
Com os amigos não estás sozinho
Porque sempre dizes as verdades.
Agora vou ficar caladinho
A seguir não pretendo mentir
Pelas tuas palavras amigo Agostinho
Queremos ver Valdemar a sorrir.

Abraços
Eduardo.