sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Coisas da Vida!

Vamos ganhando Alma
Algumas vezes deu para Sangrar!

Aqui vou versando e rindo
No meu recanto hospitaleiro
Contando minhas histórias
Dos tempos de marinheiro

Não eram poucas as vezes que lá sofriamos um golpezito (tal era o calor), não porque tivéssemos qualquer propósito em o fazer, mas porque a assistência com a sua insistência nos levavam a que fizessemos combates duríssimos.
O meu adversário dispunha de grande vantagem, era mais corpulento, dispunha de braços mais compridos e como tal as minhas chances eram menores.
Mas nem por issso deixava que muitas vezes molhasse bem a sopa e ao fim do round fosse eu o vencedor. Se assim não fosse, não fazia sentido combater. Nem a asssitência estava para nos aturar.
Ele era fuzileiro especial e como tal tinha a escola do mestre Ferraz. Os camaradas que aparecem na foto, os quais tiveram também essa mesma escola, eram exigentes, e sempre que fazíamos combates, tínhamos que dar o litro. Éramos praticantes assíduos e não apenas calçávamos as luvas para posar.
Mas, ao fim e ao cabo, dirão os filhos da escola, o Radarista praticava tantos desportos!... Verdade que sim e ainda faltam aqui as fotos de forcado, pois algumas vezes fazia parte do Grupo. Participei em pegas de caras com as vacas, antes de as mesmas serem abatidas. Não era difícil, porque elas normalmente em dias de muito sol, quase se tornavam transparentes, a sua alimentação não era famosa.
Davam pelo menos para alguns bifes, que o gato se encarregava de comer em boa parte, até que um dia também ele foi comido por nós (embora obrigados e para evitar problemas) misturado com coelho. Ou não fosse o cozinheiro um amigo chaparro e Fuzileiro. Mas os bocadinhos de carne das vacas que ficavam agarrados aos ossos, davam sopas maravilha.
Certamente que melhor compreenderão que a boina de Fuzileiro que usei para pousar, até nem me assenta muio mal. Se calhar depois deste cartão de visita , vão alguns mudar de opinião. Modéstia à parte, sou mesmo uma pessoa nada exibicionista. Mas como é o amor que nos liga, vocês saberão perdoar-me mais esta exibição e a tentativa de me auto-promover.
Estou desculpado?..... Não tenham medo e digam o que vos vai na alma!
Inspiração Ganha num Comentário
Pois é Oliveira, o Velho Ferraz é uma grata Glória do meu Sporting Clube de Portugal, a partir daqui, fez um trabalho espectacular, nos Fuzileiros, vi-o várias vezes a ministrar vários treinos.
Um dia numa daquelas aulas de boxe no Grupo nº 2 estava o Ferraz a apreciar o Treino, um dos instrutores que tinha sido campeão de Juniores, treinava um Filho da Escola Transmontano,foi buscá-lo, porque ele estava a treinar com outro e percebia-se que ele não dava uma para a caixa, não era dotado de um minímo de arte para a modalidade, abria-se completamente. O monitor foi buscá-lo, mandava-o fechar-se, mas de nada valia, ía explicando e socando, diga-se que lhe ía dando sem grande dó. Tanto foi dando, ao ponto que o Filho da Escola se desnorteou, puxou de toda a força que tinha de lavrador, nem as luvas safaram o Instrutor, teve de ser assistido na Enfermaria. Entrou o Ferraz em cena, procurando impor-lhe o devido castigo pela ousadia. Mas nós não gostamos e começamos a assobiar e ele acabou por parar. Não faço ideia de que força levaria, quando ele foi com o braço atráz e com toda a força disparou aquele (Murro) soco.Mas que o monitor passou por um mau bocado, lá isso passou.
2º Caso = Batota na Prisão
Estava no Grupo nº2, à espera de destacamento para embarcar, um belo dia fui selecionado para fazer limpeza dentro da prisão, estavam a jogar ao montinho, num àpice fizemos limpeza e entramos também na batota. Fartei-me de ganhar dinheiro, mas o 27 que fazia parte d´um grupo de gamanso sacava-me o dinheiro todo, eu claro maçarico ía metendo algum ao bolso, mas não passava disso.
Quando terminou a batota, um Fuzileiro filho da minha escola, de nome Francês, deitou a mão ao 27 e exigiu-lhe que me repuzesse todo o dinheiro. Muito prontamente e sem exitar deu-me o dinheiro todo, tinha o Panamá quase cheio de moedas. Ele só o fez, porque o Filho da minha Escola, tinha sido campeão de Boxe pelo Sporting. Percebe-se!..... Foi um ver se te avias direitinho ao Bairro Alto. Aqui começava o principio de uma longa história.

2 comentários:

oliveira disse...

Boa recordação a do mestre Ricardo Ferraz homem dos fuzileiros, do Sporting e do Vitória Clube de Lisboa, da Picheleira.

Valdemar disse...

Recordei-me de ois casos, que me parecem de interesse e escrevi-os no artigo do Boxe.
Verdade que o Ricardo teve outros desempenhos, mas sabes que mais de 20 anos treinou o Sporting. A Cesar o que é de cesar. (Brincadeira Clubista). Obrigado e um forte Abraço das àguas Cristalinas do Niassa