sexta-feira, 21 de maio de 2010

Múmias Inspiradoras

Foto Legenda do nosso futuro Primeiro

O nosso Futuro Primeiro do Bloco Centralão.

A Santa Aliança

Inspirados na visita do Papa, a nova aliança politìca substituiu a velha A.D. pela nova S.A. (Santa Aliança).
     Como podem ver na foto de circunstância tirada à saída da residência do Primeiro Ministro. A 13 de Maio, que vem muito a propósito, o Santo Ministro em conjunto com o Cardeal Patriarca do P.S.D. preparam-se para salvar o País e enrabar o povo (e como estavamos a falar do clero esta ultima atitude vem muito a propósito: são sempre os mais pequenos que são molestados)
 
Farinha do mesmo saco  


O Poço
  Neste país de marinheiros, que engrossa o número dos que fazem fila à beira do poço. Unidos pelo"interesse nacional" o turbulento José Socrates e o bem educado Passos Coelho, empurram-nos um a um lá para dentro.Um a Um. Fazem-no é certo de forma diferente. O licenciado em Engenharia diz, alto e forte, com cada empurrão: "Só faço o meu dever".
   O economista empurra mais suavemente e pede desculpa suavemente e pede desculpa de cada vez.
     É uma diferença de estilo.
     O restante é sempre o mesmo.
     Lá vamos nós para o fundo do Poço.
   Já estamos habituados a más notícias, mas no minímo o que os governantes podiam fazer, era ficarem comprometidos com uma única versão da tragédia.
É que já vão sobrando poucas costas para tanto chicote.

4 comentários:

Anónimo disse...

As comadres já se começarem a desentender, mas isso não quer dizer que se vamos ver livres da corja, para mal dos nossos « pecados » estamos condenados a ser desgovernados por esta nova vaga de jotas.
Um abraço
Virgilio Miranda

Pascoa disse...

Não vos preocupais amigos porque lá vem o nosso GERÓNIMO dizer que está lá, e há sempre uma alternativa, para nos carregar na cabeça se a água estiver pelo queixo!

Um abraço
Páscoa

TINTINAINE disse...

Estamos bem arranjados!!!!!!!!!!

Piko disse...

Sem pretender ser um educador, até porque já nem a pólvora há para inventar, tenho que humildemente reconhecer que estamos a começar de pagar uma factura para a qual também colaboramos, até pelo nosso silêncio e desinteresse quanto ao rumo político que há décadas o nosso país seguia...
Nós, que na casa dos sessenta, ainda conhecemos os métodos usados no tempo da outra senhora, de má memória, mas que nunca deveremos ingenuamente afastar, porque as épocas são determinantes e as tentações não são só carnais... Falta-nos, talvez, uma maior experiência democrática, que só com o amadurecimento se conseguirá, e, essa, será a razão porque tão facilmente acreditamos e nos entregamos ordeiramente nas mãos de gente sem provas dadas e que nos fazem lembrar os tempos de miúdo, em que apareciam os vendedores da banha da cobra, que ninguém conhecia de facto e que nas feiras e no final das missas, lá conseguiam "engrabelar" uma boa parte de mineiros, barqueiros e pescadores, já que a maioria dos que trabalhavam as terras, nem sequer tinham tostões para comer duas vezes ao dia!
Mas, nós que temos memória, não iremos esquecer nunca e vou confessar-vos que assim que o 25 de Abril saiu à rua como vencedor, aderi de corpo e de espírito, porque acreditei e apercebi-me que era agora ou nunca!... Era nessa altura um quadro duma empresa onde auferia o 3º mais alto salário, casado e com 31 anos de idade e não hesitei em pôr em causa a minha carreira profissional, para que se fizesse justiça finalmente no meu país e em Dezembro de 74 conseguia com outros trabalhadores, que as regalias que eu tinha, entrassem em vigor para todos e muita alegria senti, quando consegui ver os mais humildes a ter acesso àquilo que eu já tinha desde 1970!
Pouco tempo durou o nosso contentamento e fui dos primeiros a ser castigado, por ter recusado mudar de atitude, como os donos do dinheiro pretendiam, porque eu sabia o que a vida me tinha ensinado desde a infância junto de mineiros, barqueiros do Douro e pequenos caseiros e essas memórias não podiam permitir sequer que eu pensasse numa traição!...
Os donos do dinheiro retiraram-me grande parte das regalias sociais, mas só conseguiram aumentar a minha dignidade e sem medo do trabalho em 1981 saí da empresa e fui à luta, tendo aperfeiçoado os meus conhecimentos e adquirido muitas e boas amizades até ao ano de 2006, quando decidi parar para descansar e começar por ir ao encontro de coisas que são novidade para mim e que merecem a minha atenção!
Penso que fui longo - peço-vos desculpa - mas quis dar-vos a saber a razão porque nunca acreditei nesta gente após o golpe do 25 de Novembro, porque foi feito com a intenção primeira de "abafar" o movimento a favor dos humildes e havia que "cortar" a cabeça ao que eles consideravam um potencial perigo para os seus previlégios!
Aonde isto levou o país já todos nos apercebemos, faltam ainda as consequências... Essas com o tempo iremos conhecer melhor!
Para terminar só quero dizer-vos bem lá do fundo, que amo o meu país como sempre amei e que ficaria imensamente feliz se me tivesse enganado nas minhas perspectivas após Abril de 74! Seria a prova de que teria estado do lado errado...
Oxalá me tivesse enganado!
PIKÓ