quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Meu Amor é Marinheiro (À Fadista)


Putos Alpinistas = Nas Fragas da minha Aldeia
 marinheirododouro.bogspot.com   

                    É uma entrega tão forte = Vá lá saber-se porquê?
    O que tudo isto tem de motivante?!!!:-
     Sempre que algum dos Filhos da Escola se lembra de dar uma dica da nossa tão querida Briosa, logo à um toque a postos de combate e todos marcam presença, "ocupando imediatamente o seu posto de faina" e o mais impressionantes é que as consultas sobem em flecha.
  Três casos aqui que peço permissão para individualizar:-
1º = Ó Filho da Escola Virgilio = Tal como para uma grande amizade não é necessário muito tempo, o mesmo é para amar.
   A tua passagem pela Marinha dá-te todo o direito de seres marinheiro de pleno direito. As leis que ditam a não contagem do tempo!!!:- Isso é outra história. O legislador não percebe muitas vezes rigorosamente nada do assunto em causa.
  Só faltava andar todo o tempo que deste da tua vida e tanto sofres-te e não teres esse direito.
 2º =- Eduardo Nunes, tu tal como eu.- Estás naquela de não foste da Marinha mas tives-te um convívio que te deu para perceber a união que a farda nos dava e como dizes, algumas vezes te interrogas-te porque não te tinhas oferecido voluntário para a Armada.
  Tal como eu costumo dizer:- Tal o contacto que tive com os Fuzileiros, que deveria acumular a boina.
  Outro exemplo:- (Para o Valdemar  Alves) =O Ferraz treinador de Boxe dos Fuzileirosque eu também tive o prazer de conhecer. Esse saudoso, teve uma grande Escola no Sporting Clube de Portugal. Os muitos anos que foi treinador da Secção de Boxe do Sporting, onde fez muitos Campeões e muitos deles pertenceram à Marinha.
  Já me esquecia do fado, cantado pela saudosa Amália Rodrigues, uma Senhora com Paixão à Marinha. 

Meu amor é Marinheiro ( Cantado por Amália Rodrigues)





Meu amor é marinheiro
E mora no alto mar
Seus braços são como o vento
Ninguém os pode amarrar

Quando chega à minha beira
Todo o meu sangue é um rio
Onde o meu amor aporta
Meu coração-um navio

Meu amor disse que eu tinha
Na boca um gosto a saudade
E uns cabelos onde nascem
Os ventos e a liberdade

Meu amor é marinheiro
Quando chega à minha beira
Acende um cravo na boca
E canta desta maneira

Eu vivo lá longe, longe
Onde moram os navios
Mas um dia hei-de voltar
Às águas dos nossos Rios

Hei-de passar nas cidades
Como o vento nas areias
E abrir todas as janelas
E abrir todas as cadeias

Assim falou meu amor
Assim falou-me ele um dia
Desde então eu vivo à espera
Que volte como dizia.

Klique para ouvir Amália cantar este Fado.
Votos para um Natal cheio de Partilha, Saúde e muito, muito Amor

4 comentários:

TINTINAINE disse...

Não conhecia a letra deste fado.
Vou ter que encontrá-lo no Youtube para trazer para aqui.

lmdoliveira disse...

Boas festas para todos os filhos da escola!
Abraço Valdemar

Valdemar disse...

O Meu grato reconhecimento ao Filho da Escola Carlos Tintinaine, pelo excelente trabalho da introdução de colocar a Amália a Cantar.
Mais importante ainda nesta quadra Natalícia, e que aproveito o espaço para desejar a todos os Marinheiros em Especial e a todos os Amigos em geral a preciosa colaboração e força que têm dado a este Blogue, que no prínicipio do ano destinarei totalmente a coisas da Marinha e Ocorrências importantes em Moçambique.
Será mais um esforço que pedirei a todos no Novo Ano, e que espero venham a ter a compreensão de todos vós.
Bem Hajam
Um feliz Natal com muita Partilha, Saúde e muito, muito Amor à mesa.
UM Xi Coração do tamanho do Lago Niassa

Valdemar disse...

Valdemar... Este disco tenho-o eu aqui!... SAUDADE/FADO/MARINHA está tudo ligado... Sao 2 e 40 da matina... BOM NATAL!
Valdemar II