quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Pescar nas Primeiras Águas e Bom Ano de 2011

Para todos os Amigos e suas familias, Festas Felizes e um Ano de 2011 repleto das maiores venturas.
 São os meus votos sinceros.
 
A minha primeira Comunhão. O Padre e Eu!!!
 marinheirododouro.blospot.com

Peixe novo deu à Costa.
Sempre que alguma Garina  aparecia lá pelo Bairro, para se iniciar na vida, todos corriam a tentar serem o primeiro a arrancar com ela.
   Pois também a mim me calhou uma dessas conquistas.
   Claro que havia todas as vantagens para que a coisa viesse a funcionar como se desjasse.
   Uma Agá que vem de Sopeira e não tem rotina e como tal era muito fácil trabalhá-la da forma como se quizesse.Por outro lado também se poderia escolher um local de 1ª ou 2ª para ela começar a atacar.
   Quando saí com ela da casa de comidas em frente ao Monte Alto,do velho Garcia, eram cerca das 23 horas, mas logo ali à esquina estava uma rodinha a jogar à Chapinha.
Nota:
         O que era o jogo da Chapinha?
          Duas moedas de 1 escudo lançada ao ar e ao caír no Chão se ficasse os dois uns para cima perdia-se, um para cima outro para baixo, livrava-se e passava a lançar outro jogador e os dois mais para cima ganhava-se o que se tivesse apostado com todos os jogadores.
         Aquilo durou até altas  horas, "até correu bem, estava em dia sim e até deu para ganhar uns cobres e umas duas amarras de urina (pulseira de ouro)" e, como no outro dia tinha que ir a bordo ao navio, mesmo que poderia saír de seguida. Não convinha deixá-la ao alcance de um qualquer novo predador.
      Assim lá a levei até ao Ritz Clube, depois da Ceia lá fomos até ao Cacau à Ribeira e então até ao Cacilheiro e dali até ao Portão do Alfeite na Cova da Piedade.
       Ficou ali ao lado num Café, enquanto fui e vim.
       Fomos almoçar e ver uma sessão daquelas continuadas do tipo Piolho onde dava para passar pelas brasas.
      Jantar e lá fomos para o ataque.
      Já não estava a esperar muita coisa, pois ela era bastante baixa e isso não era o meu tipo de mulher. Mas que raio era uma coisa diferente e como andava cabreado com a Anabela, dava, para se mais não fosse para ciumenteira.
      Tudo tinha corrido nos conformes e parecia-mos um casalinho  de pombos como os que andam por aí nos dias de hoje, o beija e torna a beijar.
       Chegados à deita, pouco tempo depois de se começar no marmelanço, empurro e ela começa a deslizar e a trabalhar no arame.
       Coisa tão insabida e o pior foi a volta que me deu ao estômago, pois no marmelanso sempre poderiam por lá ter ficado uns restos do último a servir-se.
       Lá tive de inventar uma história, deixar uns trocos, e um maço de tabaco e lá me consegui pirar.
       Foi das piores coisas que me aconteceram.
       Mas como uma desgraça nunca vem só!!!
       Embarcamos para Moçambique e começo a falar com um fulano que andava lá pelo Bairro atrás dela e então disse-me que vivia com ela e ela tinha dado o fora, mas era o grande amor da vida dele.
       Comecei a dar-lhe a volta e passado mais de um mês contei-lhe a verdadeira história e só muito mais tarde ele já corado da paixão acreditou que a minha história era veridica e então veio a perceber porque ela vivendo com ele de quando em vez dava uns foras e arranjava algum graveto que lhe dizia que eram os Pais da Santa Terrinha, que lhe o enviavam.

4 comentários:

Valdemar disse...

Sinceramente só o título... "Pescar nas Primeiras Águas" vale milhões... Depois a leitura em si, mencionando todos aqueles lugares nostálgicos como também fez o Virgilio quando mencionou o BAR DOS DEGRAUS... É de um gajo andar mesmo à cabeçada às paredes!
Valdemar Alves

lmdoliveira disse...

Boa saúde, boas pescas, boas pingas de água pura para o filho da escola em 2011 !
Abraço Valdemar

Fuzo de agua doce disse...

Mas que rica prenda me saístes, e eu a julgar que era corrécio, ao pé de ti era um menino de couro, já agora o portão da Cova da Piedade é aquele ao pé dos silos dos cereais não é?
Havia o outro mais longe que era o portão verde mas se não me engano esse já é no Feijó, estarei certo?
Feliz Ano Novo para ti e para os Teus.
Um abraço
Virgílio

Valdemar disse...

Correctíssimo. Era no Laranjeiro, dava para as Escolas e para a Base Naval.

Vem do primórdios e foi o principal pecado do Adão.
O único castigo que eu não suportaria era ser panasca e no tempo ainda tinha de pagar-se.
Como tal era duplo castigo.
Como sou muito apertado e nem é possivel fazer em cima o exame à prosta, seria um castigo horrendo
Acredita que ainda perdi muitas e jamais as recuperarei.
Conheces aquela do cantador???No final de carreira.
A cantar ganheiro
A cantar se me acabou
Dinheiro foi mal ganho
Água o deu. água o levou.
Era chapa ganha, chapa batida. Ficou o prazer.
bom Ano Novo repleto de ventura. Amigo sabes que era mais de muitos cães a um osso. Já vai da sorte.
O grande problema está sempre na hora certa da saída. Também tive nisso a felicidade de saber saír. Pode ser uma ída sem retorno. Quem ficou dependente daquilo e viver a expensas exclusivas passou mal e em muitos casos tiveram fins trágicos.