segunda-feira, 25 de julho de 2011

Associativismo e Solidariedade.

Neste mundo em que cada vez mais se olha para o próprio umbigo, em que uns tantos se julgam senhores do mundo e não olham a meios para alcançarem fins.
Valores há que cada vez mais são os que os partilham.
Solidariedade
Sempre insuficiente, sempre necessária, torna-se absolutamente fundamental nestes tempos em que muitos de nós passam por momentos de grande aflição e muitas privações.
Associativismo
É um dos pilares da nossa sociedade em que o cidadão  exerce efectivamente a sua cidadania e que chega onde o poder político não consegue (ou não quer), mas que tão mal tem sido tratado.
Exemplo Vivo.
Veja-se o que é a falta de solidariedade, onde se joga o dominó do contágio de continuar entre a Grécia, Irlanda e Portugal, onde apenas juntos valem 5% da riqueza europeia, mas que irá continuar a vigorar a doutrina da vacina contra os pobres a quem Merkel chama de pobres gastadores endividados e sonolentos.
Fossem solidários e os problemas seriam de fácil resolução.

2 comentários:

António Querido disse...

Pois é, devia ser como dizes Amigo Valdemar, só que, cada um coça a sua barriga, ou se começam a entender ou a Europa continuará em ziguezague, mas como sabes não sou pessimista e têm que se entender!

edumanes disse...

Solidariedade e Associativismo, enquando continuarem estas politicas, que só beneficiam os poderosos.
Palavras que só existem no diciorário, porque nunca iião ser postas em prática.
Os ricos são contra isso. Os pobres lutam mas nada conseguem porque não se entendem, e os politícos, também, não mostram interesse no Associativismo.
Continuaremos a pensar, porque, e por enquando ainda não é proibido

Um abraço para, todos, os Avós.
Eduardo.