sexta-feira, 1 de julho de 2011

ANEDOTAS = RIR É SAUDÁVEL

Na fila do céu, dois amigos encontram-se e perguntam um para o outro:
- Oh Rafael, de que é que morreste?
Ao que ele responde, visivelmente chateado:
Hipotermia.
O primeiro então acrescenta :- POis eu morri de ataque cardíaco. Imagina que preparei uma armadilha para a minha mulher. Disse que ia viajar e voltei para casa à noite para  a apanhar em flagrante com um amante. E a coitadinha estava sózinha! O meu remorso matou-se.
Ao que o outro respondeu :- Se tivesses procurado no frigorífico, estariamos os dois ainda vivos!

Eram dois homens que andavam todas as noites a roubar fruta a um velhote.
Numa dessas noites, o velhote já desconfiado, pôs-se à espera deles com um pau.
Um dos homens salta o muro enquanto o outro ficava à espera do lado de cá.
Quando o homem salta o velho vai manda-lhe com o pau e parte-lhe os dentes todos.
O homem aflito chega ao pé do amigo com mão a tapar a boca.
O amigo vira-se para ele e diz :
- Conta lá que eu também me quero rir!!

Estão dois miúdos de nove anos e vira-se um para o outro:
- Se o teu pai é sapateiro porque é que tens os sapatos rotos?
- Responde o outros :- Também o teu pai é dentista e a tua irmã nasceu sem dentes.

2 comentários:

António Querido disse...

É Pá,viva a boa disposição!
Hoje só numa paragem ouvi falar de política, vamos lá dizer ao Compadri Eduardum, que fora do Alentejo, também se sabe contar anedotas, tá bem Rafael!

edumanes disse...

O Compadri Eduardum, está de olhos bem abertos para aceitar as malandrices, dos compadris do centro e do norte.
O desgraçado escondeu-se dentro do frigorifico.
Lá na minha aldeia havia um que pensava, ser mais esperto do que todos os outros.
Uma noite convidou um amigo para ir caçar gambozinos.
Cujo convidado ficaria com um saco, numa gateira do cercado, à espera do gambozino, que pensava o autor da ideia não existir.
Mas enganou-se, porque uma lebre ao sentir a presença dos intrujas,
correu para a portinhola de saída, acabando por ficar dentro do saco do que eles pensavam ter enganado.
Satisfeito com a caçada, sem saber que tinha sido enganado. Regressou a sua casa. No dia seguinte disse ao intruja que tinha para o almoço um bom ensopado de lebre.
Tendo o intruja ficado espantado com a notícia. Toma lá e embrulha, que é para não te armares em esperto?

Mandem mais que eu gosto!
Um abraço, para todos os compadris.
Eduardo