sexta-feira, 19 de março de 2010

À Memória de Meu Pai

Só se Morre quando se deixa de estar no Coração de alguém. Continuas Presente PAI
Recordar-te:-
E saber que contribuí para  um final de vida digno, enche-me de felicidade.

Filho És.
Pai Serás.
Assim  como Fizeres
Assim Encontrarás
   
    Pai:
 Vir hoje aqui recordar-te, os cerca de 17 anos em que eu e meus Irmãos andamos pelo I.P.O. do Norte e Hospital Santos Silva em V.N.Gaia a acompanhar-te na tua doênça cancerosa, quando ainda não tinhamos casa própria para viver e, sem a menor exitação optamos por pagar a uma Senhora que por vós olhasse das 8 às 17h e, depois assumiamos nós, sabendo que sempre o fizemos com todo o amor e carinho e, sem qualquer tipo de obrigação ou sacrifício.
 Dá   argumentos morais suficientes para que  possa me sentir realizado, ao  ter cumprido um dever que todos sem excepção deveriam saber e com um pingo de amor deveriam assumir.
     Pai: esses valores estão a ser esquecidos e, agora o que está a dar é; quando se chega a uma determinada idade:-  Vai que chuta!!!!, um pontapé em cada nagueda de cada rabiosque e, há que chtá-los "metê-los" num lar. Esdquecendo-se da velha máxima do Leproso para o filho.
. De preferência quanto mais longe melhor, que é para  não se sentir o peso dos fardos!!!.
 Até dizem lá é que estão bem, bem é pouco! Mavilhosamente bem!!!!.
    Nada me move contra os lares, pelo contrário defendo que eles devam existir e funcionar com excelente qualidade. Pois quando se chega a Idoso é aqui que os cuidados devem ser redobrados. Mas em primeiro deve passar pelo carinho familiar directo.
    Enquanto somos novos e dispomos de saúde nada disso se torna necessário.
   Mas cada vez; e, em cada dia que passa me sinto por um lado imensamente feliz por ter sabido cumprir com o dever de filho e, assim terem ambos morrido em minha casa. Mas olhando para o  lado sinto uma revolta enorme, quando vejo aqueles com quem fui criado e muitas vezes me ajudaram a educar, estejam a ser mandados para lares a mais de 100 quilómetros da terrra onde viveram e onde tudo dariam para ali permanecerem até aos seus últimos dias das suas vidas.
 Ou não deveria ser um dirteito devido a quem viveu cerca de noventa anos na sua terra Natal e que sempre a adoraram.
     Esta semana fui à nossa Terra a Cancelos e, foi uma enorme frustração quando perguntei pelo Ti Abel e me  terem dito que o Ti Abel e a Ti Alzira, jamais moravam ali. Pois foram mandados para um Lar para Braga, também me disseram ainda:  como seria de esperar e é mais claro evidente que o Ti Abel não queria ir.
    Paga-se assim muitas vezes quando damos o que temos aos filhos e depois não temos alternativa.
    Pai dizias:- Quem não se sente não é filho de boa gente:- Claro que assim é; e. como tal não calo esta revolta, até porque o Ti Abel e a Ti Alzira mereciam e deveriam  passar o resto dos seus dias na Terra que os viu nascer, e a qual nunca a abandonaram.
   O dia do meu Pai é todos os dias. Mas há dias mais especiais e este é um deles.
   TAL PAI- TAL FILHO.  OBRIGADO PAI POR ME TERES FEITO NASCER. E EDUCAR


2 comentários:

Anónimo disse...

Amigo Valdemar
Em total acordo com tudo o que aqui escreves,conforme pudeste ler no meu blogue não tive o privilégio de acompanhar o meu Pai, por motivos que expliquei, mas estamos num mundo cão, em que não há carinho pelos progenitores, a não ser quando estes ainda têm vigor e de preferência uns euros para lhes ir dando.
Um abraço
Virgilio Miranda

Valdemar disse...

Sim o Leira escreveu que tal como tu tinha o computador dado o berro e, que tinha perdido quase tudo.
Felizmente que estão todos bem.
Um abraço para todos.
Fica-te bem essa tua preocupação.
Commander.