sábado, 20 de março de 2010

O Vento e a Água

1

Irei ver a beira-mar
Farei andar brancas velas.
Com mil beijos dados nelas.
Vai bailar toda a areia.
Às ondas como a brincar.
E quando a maré vazar
Cantarei a embalar
Se vir um marujinho
Com um barquinho a brincar.
II
Poderei então, amigo,
Assistir ao teu bailado      
Portanto, vento, contigo
Tenho um encontro marcado
III    
Quem sabe, vento, quem dis,
Se o primeiro barquinho
Que empurraste , feliz
Pertencia a um marujinho,
Brincando à beira do mar.
E tu, contente, ligeiro,
Levemente a empurrar
Como quem está a embalar
Conseguiste um marinheiro

Quem fala no Barco quer Embarcar= Memórias de um Marinheiro
com a devida vênia Mariana do Moinho

1 comentário:

TINTINAINE disse...

Amigo Valdemar, tenho que pedir-te desculpa por todos os comentários que não escrevi no teu blog, nos últimos tempos.
As coisas da Cf2 têm-me ocupado o tempo todo e não consigo atender a todas as solicitações.
Mas tenho procurado ler todas as mensagens que vais publicando, apreciando os teus versos e deliciando-me com os arranjos fotográficos com que nos tens obsequiado.
Continua que é disso que a gente gosta. E mesmo sem comentários acredita que estou sempre de olho em ti.
Um abraço