sábado, 6 de fevereiro de 2010

O Fado é Alma do Povo

Só se morre quando não se está na alma do Povo

 Como reconhecimento e partilha. Quadras de veia fadista do Filho da Escola Jordão.
  Very Good .My Friend = Aquele Abraço
Aqui  vai dedicado ao nosso amigo Valdemar (disse o Jordão), que teem a coragem e ainda-bem de falar do fado, um pouco da minha impressão sobre fado e fadistas.

Silêncio Canta-se o Fado
          I
Até fiquei embasbacado
Meu caro Amigo Valdemar
Mas quero-te felicitar
Por teres falado de fado
II
Falas de gente de talento
Falas de gente afinal...
Gente de enorme portento
Da nossa canção nacional
III
Há quem diga isto e aquilo
De quem também canta o fado
Mas o fado foi marcado
P ´lo Maurício em qualquer estilo
IV
Do Marceneiro-desse artista
Há que dizer claro e bem.
Foi ele o grande Estilista
Dos estilos que o fado tem
V
Não me lembra o Casa Nova
Nem do seu comportamento
Mas cantar fado é a prova
Que cantava o sentimento
VI
Lembro Lúcilia também
Com uma enorme devoção.
Mas... o Carloto fanfarrão
Que vive na sombra da mãe...
Basta!... chega  p ´ra  desilusão

Luxemburgo, 05-03-2010 Jordão = Quinta-Feira  4 de Fevereiro de 2010  = Publicada por Jordão
Seria um tremenda injustiça privar os apaixonados por boas quadras.  POr onde têm andado estes compositores, de tão nobre sentimentos. Sentir e Pulsar o Fado.

=Agora segue-se o medíocricidade:- Mas é um desafio a novas quadras dos fadistas aqui citados.

Frutuoso França e Camané
Fernado Farinha e Cidália
Toni de Matos e Maria da Fé
César Morgado e Amália
  II
Seria lista infinita
Com fadistas d ´outra Era
Começando no Conde Andeiro
E passando pela Severa
III
Um abraço Amigo Jordão
Junto com este poema novo
Todos o temos no coração
Porque o fado é alma do Povo

3 comentários:

TINTINAINE disse...

Caríssimo amigo Valdemar
Eu não te sabia poeta
Do modo como sabes rimar
Vê-se que não és "maneta"

Valdemar disse...

Fados destes estrilhados à tôa
Seriam arte no Cais-do-Sodré
Cantava um Fuzileiro de Lisboa
De sentinela no Cobué.

Com estes fados Valdemar
Fazias lá um dinheirão
Enchias a barriga no Solmar
Com cariocas de limão.

PS O Valdemar aqui sou eu, portanto não leves a mal... Valdemar Alves

Valdemar disse...

Valdemares já somos dois
Dois Poetas aqui estão
Também temos o Tintinaine
Falta o Verde e o Jordão
II
Certo que não sou fadista
Muito menos Chico esperto
Também queremos o Oliveira
E o Camarada do Exército
III
A desgarrada vai longa
Mas nada foi feito à sorte
Viva o Fado e os Fadistas
Viva o Sul e viva o Norte