sábado, 2 de abril de 2011

"Já foi uma casa farta"

Muitos portugueses,  principalmente aqueles que ainda têm algum discernimento para uma visão real do país, saberem  não se confundirem nem se misturarem com aqueles sempre mesmos, que aplaudem os mesmos, que elegem os mesmos, e que nunca se apercebem que esses mesmos, são sempre os mesmos que mesmo com o País à beira da bancarrota defendem sempre os mesmos interesses, e colocam sempre esses mesmos, saqueando a ração que deveria ser repartido por aqueles que não sendo dos mesmos, deveriam esses mesmos perceberem que ao elegerem sempre os mesmos, esses mesmos após os actos eleitorais vão colocar na gamelas sempre os mesmos  indiferentes aos mesmos sistemas.
São os mesmos e sempre os mesmos insubstituíveis. Ou seja os tais cabecinhas pensadoras.
Verdadeiros sentimentalões  humanistas e solidários para com o seu úmbigo.
Mas se hoje muitos portugueses experimentam um sentimento parecido ante as ruínas daquilo quer foi um dia um país e que hoje é um patético joguete de interesses alheios. Também aqui neste país havia uma casa que ainda hoje poderia ser farta, mas nela se tornou apenas possível encontrar falta de referências (morais, ideológicas ou outras) e um qualquer projecto que não seja o da ganhunça (ganância).
A " choldra ignóbil " de Eça regressou corrompendo tudo confundindo verdade e mentira e espoliando o presente e o futuro colectivos.
Sendo que as próprias palavras deixaram de merecer qualquer credibilidade.
O partido Socialista é tão socialista quanto o Partido Social-Democrata é social-democrata e expressões como " Estado Social" ou "Justiça Social" perderam qualquer significado.
Quando formos chamados  outra vez a votos.
E, como a imensa maioria descontente se abstém não conta, os mesmos elegerão de novo os mesmos.
Que seguramente irão continuar a fazer mais uma vez o mesmo..

3 comentários:

António Querido disse...

Atenção, vão deixar de ser os mesmos!
O Coelho Madeirense, já oferece o seu Partido à Geração à Rasca para se candidatarem, portanto vamos ter mais um à nossa escolha, só me aparecem cromos!

edumanes disse...

Tens toda a razão,
aos dizeres as verdades.
Sempre a comer o pão,
desde o minho aos Algarves.
São os mesmos alarves,
que nos sempre enganarão.
Enquanto esta nova geração,
continuar a permitir.
Toda esta corrupção,
para as eleições ganhar.
Com suas promessas,
sempre ao povo mentir.
Para continuar as conversas,
não vamos mais consentir.
Que nos venham mais roubar,
não a linhes mais nessas.
Segue sempre a olhar,
Evita andar pelas travessas,
já andam por aí a falar.
Que serão muitas as remessas,
sempre os mesmos a estudar.
Mas continua tudo às avessas.
Andam os pobres a trabalhar,
para os outros eniquecer.
Quando à hora do jantar,
não têm nada para comer.
Vão para a cama descansar,
Mas não conseguem adormecer.

Bom fim de semana, um abraço
Eduard.

Anónimo disse...

Já me abstive várias vezes, por norma voto nas Autárquicas, algumas vezes nas Presidenciais, mas nas Legislativas, há muito que perdi as «peneiras» sobre a regeneração do sistema, a ultima vez que votei nessas Eleições foi no Sócrates na primeira vez que ganhou a maioria, fiquei vacinado, não digo que não vá lá desta vez, porque ainda falta algum tempo, e pode ser que esteja de maré nessa altura, mas se as Eleições fossem nos próximos dias não ía lá, estou pelos cabelos com esta «tropa» que nos anda a dar musica á tantos anos.
Um abraço
Virgílio Miranda