sábado, 23 de abril de 2011

A Minha Páscoa em 2011= tem de meter Lampreia.

Alcoolismo Predisposto à " Ressaca"
gadata2011.blogspot.com
Nasci num tempo de dificuldades económicas acrescidas.
Não havia dinheiro e a única fonte de rendimento muitas vezes era aquela que advinha da pesca do Sável e da Lampreia.
Pertencia a familia de Pescadores onde a partir dos meses de Outubro os rendimentos se apróximavam do Zero, uma vezes porque o Caudal do Rio não permitia que houvesse navegação pelas fortes correntes que se faziam sentir, outras porque a partir do final do mês de Setembro até Fevereiro não havia pesca.
Durante largos anos da minha existência se fazia sentir o efeito devastador da segunda guerra mundial e apesar de começar a trabalhar com tenra idade (10 anos) o ordenado que auferia não dava para me alimentar, mesmo que essa alimentação fosse reduzida ao mínimo de poder sobreviver.
Mas na casa dos meus Pais, mantinha-se tradição vinda dos tempos dos meus avós. As Festas marcantes como Natal e Páscoa e o Padroeiro S. Paulo, eram vividas e festejadas com alegria e dignidade.
Poupava-se em tudo para que naqueles dias ao apróximar do compasso fosse lançados meia dúzia de foguetes e a lampreia depois a marcava um dia diferente.
Foi dentro destas tradições que fui crescendo e fui feliz, também nelas percebi o quanto importante se tornava a ligação familiar com estas datas marcantes. Hoje sigo rigorosamente estas tradições e isso de crise nestas datas passam-me ao lado.
Mais um ano que vou honrar a tradição e a Lampreia lá estará na minha mesa tal como vem sendo mantida há muitas dezenas de anos.
O que tem de ser tem muita força.
Esta lampreiada traz-me à mesa muitas e boas recordações que foram partilhadas com meus Avós Pais e Irmãos.
Mais vale um gosto na Páscoa que trinta mil reis na algibeira.
A minha Fé.

3 comentários:

António Querido disse...

Amigo Valdemar, na minha aldeia onde fui criado até à idade de onze anos, como não existia lampreia, era o carneiro que fazia a diferença à mesa, hoje como não estamos em crise, é o cabrito que neste dia vai parar à nossa mesa, e a tradição vai-se manter se a Tróika não os paparem todos, bom apetite à tua Lampreia, em família!
Um Abraço
Páscoa, Páscoa, Páscoa, Viva a PÁSCOA!

edumanes disse...

Amigo Valdemar, bom apetite, que tua lampreia satesfaça teus desejos de saboreares uma boa refeição, de acordo como as tuas tradições do dia que, hoje, se festeja.
O meu almoço vai ser borrego. Tradição do Baixo Alentejo, de onde sou oriundo.
Desejo-te um bom domingo de páscoa a ti e à tua família
Um abraço
Eduardo.

Fuzo de agua doce disse...

Por aqui parece que a tradição é o cabrito ou o borrego, a mim calhou-me o ensopado de borrego que a «patroa» cozinhou, e estava uma categoria, quem vai pagar são as minhas canetas que amanhã vou ter que fazer um percurso maior para equilibrar o colesterol, pois hoje exagerei um pouco, quando a Família se junta um gajo parece que fica colado á cadeira, e só arranca da mesa quando esta já não nos quer lá,e depois o corpo é que paga.
Um abraço
Virgílio