domingo, 4 de julho de 2010

Assassinos que ficaram Impunes da PVDE/ PIDE/DGS que foi guarda redes da Selecção Nacional, Belenenses, Casa Pia etc.

Barbaramente assassinado com 14 balas disparadas pelos PVDE mais tarde (PIDES/DGS)
Médico António Carlos de Carvalho Ferreira Soares ( Doutor Prata o Médico dos Pobres).
    Guarda redes da Selecção Nacional e do Belenenses e Policia da PVDE (PIDE), com a companhia de mais três PIDES assassina no seu Consultório em Nogueira da Regedoura o Doutor do Povo.
     Sendo segundo a Autópsia no toal disparadas 14 balas de Metralhadora.
  Horrivel o que aconteceu naquele Sabado pelas onze horas da manhã no dia 4 de Julho de 1942.   Dias depois do Belenenses ter ganho a Taça de Portugal, de Óscar Carmona ser reeleito Presidente da República.... concorrendo só.
    António Carlos de Carvalho Ferreira Soares formara-se em medicina, durante o curso aderira ao P.C.P.. Colaborou na Seara Nova como etnógrafo, critíco literário, contista. Pelo povo espalhava simpatias e admirações-cantando e tocando guitarra em festas e romarias. Por tudo isso, o legionário Silva Leal considerou-o o « individuo mais perigoso do Norte». Perseguido entrou na clandestinidade como Dr. Prata. Dormia, por vezes, no Cenitério de Nogueira da Regedoura, terreola de Santa Maria da Feira, recostado a uma Japoneira. Seis anos assim andou tratando dos pobres da zona sem nunca receber um tostão, dando-lhe dinheiro para medicamentos que lhes receitava. A PVDE mais tarde de nome P.I.D.E., tentou várias vezes apanhá-lo, o povo encobria-o, escondia -o. Foi então que alguém cogitou na cilada. Agentes disfarçados- correram à aldeia dizendo que num acidente de carro ficara uma mulher ferida a precisar de médico. Quando o soube, Ferreira Soares pediu que a levassem então ao seu consultório.
    Mal começou a consultá-la, entraram de rompante três policias da PVDE. Ouviram-se tiros, na autópsia, descobriram-lhe 14 balas no corpo. Os torcionários correram a festeejar o «sucesso» numa pastelaria de Espinho, o dono, conchavado com eles, abriu garrafas de champanhe, entre gargalhadas, em brado, todos gritaram: Morte aos comunistas. O mesmo Roquete que prendeu Cândido de Oliveira e o enviaram para o Tarrfal de dentes partidos! e três jogadores seus andaram pelos calabouços da polícia política que era inspector geral dos CTT, tinha sido Seleccionador Nacional e muito mais. O assassino Roquete talvez por peso na consciência ( Que não tinha) pediu transferência para Moçambique continuando como PIDE e ligado a uma companhia de exploração de castanha e cajú.
Com a devida vênia ao Jornal a Bola  
 Pós 25 de Abril as forças ligadads ao passado com apoios exteriores tentaram juntando-lhe calunias e ameaças a quem ousasse defender a vida e obra do Doutor Carlos. Convicções são invenciveis e hoje Ferreira Soares tem o destaque devido na nossa Freguesia de Nogueira da Regedoura.
    Foi plantada a simbólica Japoneira que o Regime fascista tinha mandado cortar, uma Praça evocando o seu nome, uma Avenida com o nome de Carfos Ferreira Soares, o mesmo acontecendo com um rotunda e nela um Monumento, no qual se encontra o seus busto e o simbolo das 14 balas assassinas, bem como a ilucidação dos anos de clandestinidade.
   Um Livro publicado em 1960 onde é referênciado a luta e o crime. No ano transacto foi lançado um livro escrito pelo Professor Doutor Nogueirense Aramando Silva e apoiado pelo actual Executivo.
   Um seu Amigo do Tempo da Universidade de Medicina do Porto Doutor Ricou, médico de doênças leprosas, hoje com 90 anos, públicou um livro de memórias, onde relata a sua ligação e grande personalidade e o humanismo de Carlos Ferreira Soares.
   Um Povo Sem Memória é um Povo sem Rumo.
    Só se morre quando se deixa de estar no coração de alguém.

1 comentário:

Fuzo de Agua Doce disse...

Amigo Valdemar
Essas Pessoas que se juntavam com os pobres, eram inimigos para o regime, próximo da minha terra, havia um Médico com semelhanças com esse de que falas, embora não se lhe conhecesse ideias de oposição ao regime, não o mataram, (julgo que ainda será vivo) mas mataram-lhe os cães que ele tanto gostava, como aviso do-que lhe poderia acontecer, e teve que abandonar a terra.
Um abraço.
Virgilio