quinta-feira, 1 de julho de 2010

A Fábula do Porco Espinho = Versejando

É tão bom ser pequenino e ter a amizade de alguém. 
Poder ser-se amigo de alguém,
É barómetro de muita alegria  
Quem puras amizades não tem:
Que vá pregar para outra freguesia
A Amizade que perdura,
        Tem semprea força da razão
           Serve de aspirina, e que cura
                  O Stress, sofrimento e a solidão     
Se quem cultiva amizade é feliz,
Que não as fomenta é pobretão!
Será um ser imbécil e infeliz,
 Sem pingo  de amor no coração
Não haverá pessoa que seja pobre,
Aquele que  partilhar a amizade,
Será asim, ser humano honrado,
Que viverá com enorme felicidade.
Amizade palavra tão rica,
         tão querida, e que nos enaltece
Que a tantos nos dignifica.
              Que em muitos corações permanece

Tão linda a palavra amizade:
Tão digno a saber empregar:
Transmite enorme felicidade
Desde que a  saibamos partilhar

Tenho grandes e puras amizades
Que sei que são correspondidas :
Contribuíram para muitas felicidades
Ao longo das nossas longas vidas.

A fábula do Porco- Espinho
Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.
Por isso decidiram se afastar uns dos outros e começaram de novo a morrer congelados.
Então precisaram fazer uma escolha: ou desapareciam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.
Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro.
E assim sobreviveram.
Moral da História:
    O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.
Um conselho...
Nunca te justifiques... os amigos não precisam e os inimigos não acreditam.
Nota: A Fávula e as fotos foram-me  enviadas por um Amigo Brasileiro "Ferreira", sendo que os versos são da minha autoria.
























5 comentários:

Artur/Leiria disse...

É uma fábula engraçada
Sobre os amigos animais
Uma história bem pensada
Para exemplo bem explicada
Sempre belas… coisas tais!

Quiseste-me fazer frente
Trazendo as animais à tona
Quem fala assim não mente
Sendo filho de boa gente
Merece o amor da Beladona!

Piko disse...

Amigo e conterrâneo:
Mais uma belíssima ideia em trazer ao blog uma fábula, que nos mostra como os porcos-espinhos acabaram por perceber qual a atitude a tomar para sobreviver como espécie e serem felizes!
Nem de propósito, neste mesmo dia e noutro blog, aqui ao lado, o Artur/Leiria dava-nos conta de uma história enternecedora entre duas aves, ligadas por um sentimento de amor sem palavras, em que as imagens dizem tudo que haveria para dizer... Enquanto isto, muitos humanos ainda não perceberam, que foi uma casualidade rara e de grande felicidade que estão a deitar pela borda fora, não sabendo se irão ter nova oportunidade, para se redimir das graves falhas e erros que já se tornaram erros velhos e que vêm acumulando dia após dia, ano após ano... O curioso e o trágico de tudo isto é que o cérebro da pequena ave e o cérebro do porco-espinho, conseguem com que nos emocionemos até às lágrimas, ao mesmo tempo que o egoísmo exacerbado de muitos dos nossos irmãos humanos fez com que já nem queda tenham para imitar seres que à partida seriam muito mais limitados!... O egoísmo, a inveja e a ambição desmedida estão a tolher uma boa parte da Humanidade!...
PARABÉNS POR ESTE ALERTA! SÃO EXEMPLOS DESTES QUE ABANAM AS CONSCIÊNCIAS!
pikó

Piko disse...

Há coisas que nos acontecem e que não têm explicação! Mal acabo de publicar o meu comentário e verifico que o nosso Artur/Leiria, que por coincidência, até citei no comentário, já tinha feito o seu comentário e dando conta da oportunidade do Post do Valdemar!...
Transmissão de pensamento ou coisa semelhante!...
Um abraço para o Canadá e para o Artur!
pikó

Valdemar disse...

Bonitas fotos mas aqui há gato!... O amigo brasileiro que te enviou as fotos chama-se FERREIRA. Será o mesmo FERREIRA que conheci em Salvador da Bahia no ano de 1976 e que gentilmente me manda sempre emails... Será que cliquei em algo que não devia/será que o Ferreira pensa que o Valdemar do nosso Rio Douro é o Valdemar que vive em Cascos-de-Rolhas... Vou ter que lhe mandar um email para desvendar o mistério.
Valdemar Alves

Agostinho Teixeira Verde disse...

Tem esta valiosa fábula
Um sincero e puro entendimento
Mas onde houver um drácula
Continua o sofrimento

Vão-nos comendo a carne
Deixam-nos de ossos partidos
E sugam também o sangue
Como bando de vampiros

Boa lição dos porcos-javalinhos!
Por aqui a incúria é tanta
Que aproveitam os espinhos
Para nos espetar a garganta

Com a garganta ferida
Não se poderá falar
Será mais uma investida
Para nos poder calar.