segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Quando a saúde for privada

Informação:- A terta continua = no meu blogue blogue marinheirododouro.blogspot.com 


Médicos
      Quandoa saúde for privada:
Diz um médico para outro:
– Esse paciente deve ser operado imediatamente!
– Ai sim...? Então o que tem?
– Dinheiro!!! Montes dele!!!



________________________________________________________________________

O paciente está deitado na cama, no mesmo quarto estão o seu médico, advogado, esposa e filhos.

Todos eles esperam pelo último suspiro, quando de repente, o paciente senta-se, olha em volta e grita:
– Assassinos, ladrões, traidores, canalhas!!!.
Volta a deitar-se na cama e então o médico, confuso, diz:
– Acho que o paciente apresenta melhoras...
– Por que diz isso, doutor? – pergunta a esposa.
– Porque ele reconheceu-nos a todos...



________________________________________________________________________
Estavam a operar um paciente.

De repente, entra um médico no bloco operatório e grita:
– Parem tudo!!! Parem o transplante!!! Há uma rejeição!...
– Uma rejeição...? Do rim, doutor? – pergunta um dos médicos da equipa.

– NÃO!!! Do cheque !!!. O cheque não tem cobertura!...



________________________________________________________________________

Um homem espera ansiosamente o resultado da intervenção cirúrgica da sua esposa.

Depois de algum tempo, o médico saiu da sala de operação e disse que o caso era muito sério. O homem ia ter de lhe dar de comer na boca porque ela não poderia tornar a mover as mãos, teria de a levar à casa de banho, trocá-la de roupa, banhá-la, etc., porque ela não mais poderia mexer-se...
O marido não se conteve e começou a chorar convulsivamente. Então o médico disse-lhe:
– Não chore. Acha que eu deixaria que uma mulher fizesse isso a um homem...? Ela já morreu!



_______________________________________________________________________


Um mulher fez plástica de tudo – nariz, pescoço, mãos, pele, facial, etc
No pós operatório o cirurgião pergunta-lhe:
– Ficou satisfeita, ou deseja mais alguma coisa?
– Sim. Creio que gostaria de ter os olhos maiores e mais expressivos...
– Nada é mais fácil, minha senhora. Enfermeira!!! Traga a conta da senhora, por favor!...


O cirurgião e o pós-operado:
– Doutor, eu entendo que esteja vestido de branco, mas porquê tanta luz?
– Meu filho, eu sou São Pedro...
– Doutor, o que tenho é grave?
– Não se preocupe, minha senhora. Qualquer dúvida será sempre esclarecida na autópsia.
Uma triste realidade do retrato do meu País.
Por tudo isso percebe-se porque razão a lei de 0,02 de tolerância máxima de alcoolemia no sangue para os condutores foi aprovada na nossa Assembleia da República e depois de aprovada  não foi homulgada e passados oito dias passou a vigorar os 0,05 que era a lei que vigora anteriormente. Digam lá que os boys das bebidas não tem uma enorme força, ou não seja infelizmente verdade, que o português nasce a beber e morre a beber até e durante o Velório?
  Esta é a triste realidade e não é por acaso que somos o nono país a nivel Mundial com o maior taxa de consumo de  álcool.
  Constatação de uma triste realidade.
 Conclusões do encontro de sabado dia 20/11/2010.
  Depoimento que fez parte da minha intervênção.
  Contra factos não há argumento.
  Infelizmente é este o triste retrato do meu país.













2 comentários:

eduardo maria nunes disse...

São diversas as situações!
Que se vivem no nosso país,
Quem tem muitos tostões,
Terá tudo o que sempre quiz?

Tudo menos a saúde,
Aqui é outra a conversa.
Não depende de sua atitude,
Ter muito dinheiro compensa.

Sempre vai ajudando,
Mas os males não evita.
Nem aos outros desejando,
Não lhe tires a marmita.

Não é nos 0,05, que está o mal,
Se não fizerem com más intenções.
Beber dois copinhos é normal,
Sim e não fora das refeições.

Fuzo de agua doce disse...

Isto vai acontecer quando a saúde for privada? ou já acontece em muitos Hospitais Públicos onde alguns Médicos com «olho clínico para as posses dos doentes» os aconselham a ir ao seu consultório? onde serão tratados muito melhor, segundo eles.
Um abraço
Virgílio