sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Luanda = Angola == 50 Anos Início da Guerra Colonial


Moçambique esteve à mesa na Luso Massas em N. Regedoura
 riodouroniassa.blogspot.com

Quando o Império começou  acabar
          O principio do fim da ordem estabelecida
Acção impulsionada pelo cónego mestiço Manuel Mendes das Neves, provavelmente para aproveitar a presença de jornalistas estrangeiros na cidade, onde estivera prevista a chegada do paquete "Santa Maria, tomado por um comando revolucionário nas Caraíbas, para dar visibilidade aos anseios de independência de Angola, o " 4 de Fevereiro" apanhou o regime desprevenido.
Meio século depois dos ataques de 4 de Fevereiro 1961 em Luanda, continuam a ter leituras diferentes.
As investigações mais recentes indicam que o cónego Manuel das Neves, referido como chefe do movimento, não liderou e estava mesmo contra a acção.
O levantamento foi um fracasso, mas marcou o início da guerra contra o colonialismo portugês.
Os olhos e ouvidos estavam virados para o Recife, para o Paquete Santa Maria, desviado por Henrique Calvão, já nas mãos das autorudades brasileiras, ía nesse dia ser entregue ao adido militar da embaixada Portuguesa no Rio de Janeiro. Mas a notícia acabou por chegar de Luanda.Coisa nunca vista, grupos armados tinham atacado de madrugada cadeias e instalações oficiais, numa acção que só mais tarde se perceberia, marcava o inìcio das guerras coloniais.
Em finais de 1960 já, não restavam dúvidas de que a violência estava prestes a chegar a Angola. A qquestão agora era apenas saber quando ela rebentaria e se podia ou não ser continuada.

8 comentários:

TINTINAINE disse...

Não guardava na minha memória estes acontecimentos do 4 de Fevereiro! Mas há sempre alguém que nos faz lembrar estas datas importantes para a nossa História. Ainda bem!

Fuzo de agua doce disse...

O inicio do fim do Império, que a falta de visão de Salazar fez com que milhares morressem ou ficassem inválidos física e moralmente para o resto dos seus dias, o que poderia, se não evitado totalmente, pelo menos atenuado nas suas piores consequências, mas o está feito feito está, e agora só resta aos novos Países trilharem um caminho correcto para o Povo, e não só para alguns privilegiados como tem vindo a acontecer, (até parece que aprenderem com os Governantes Portugueses.)
Um abraço
Virgílio

Piko disse...

Pois é mesmo assim, amigo Virgílio a esperteza e certas habilidades passam em forma de contágio e parece que não há maneira de inverter, quer se trate de ex-colonizadores ou ex-colonizados...
Repara neste pormenor que nos diz quase tudo:
« É por aqui comentado à boca cheia e à cerca de uns dez anos, ou mais, que a filha de José Eduardo dos Santos (este tem as nossas idades), tem andado numa roda vida a comprar em tudo quanto é sítio, "investindo" o que possivelmente seria de todos os angolanos, numa imitação já muito gasta por outros, que nos faz lembrar o tal Mobutu, do ex-Congo belga, que quando "adormece" de vez, teria a maior fortuna do mundo, ou andaria lá por perto, segundo o que era constado... Até foi muito constado, cá pelas Europas, que os filhos logo se apressaram a meter pés a caminho da Suíça, onde estaria uma boa parte da fortuna, mas para espanto, conseguiram voar até à França, mas, entretanto, outros chicos-espertos lá dessa tal Suíça, nem sequer autorizaram os "herdeiros" a penetrar no pequeno e rico país, que pelos vistos será o maior ladrão, com as letras todas e que já vem lá muito de trás, do período áureo dos fascistas germânicos, mas que toda este maralhal nem se pronuncia, porque nem são nem nunca serão gente de bem... Para terminar, muito sinceramente e para já, estou só à espera de saber se o Nelson Mandela, que eu sempre admirei e muito, não terá os rabos de palha destes energúmenos, a contar com os europeus, claro, porque só depois irei elegê-lo, ou não, como o meu exemplo mais acabado!... É que já estou tão escaldado, como se dizia lá para o Douro, que o melhor será USAR SEMPRE O PRESERVATIVO!

edumanes disse...

Naquele lugar onde aconteceu,
No dia 4 de Fevereiro, em Luanda
Alguma gente inocente morreu
Outros escondidos debaixo de cama.

Foi em 1961, o triste acontecimento,
Na 7ª. Esquadra da PSP, em Luanda
O sentinela virou as costas no momento
Para anunciar a entrada de um sacana.

O qual escondia a catana,
Que lhe cortou o pescoço
Com suas palavras o engana
Para ter acesso ao calabouço.

Foi tamanha a confusão,
Com o sangue derramado
Quem sentiu no coração
Triste cena do passado.

Conheci aquele local,
Onde sentinelas eu fiz
Depois numa época normal
Em Luando, onde, fui muito feliz.

António Querido disse...

Amigo Eduardo, ao falares da 7ªEsquadra da PSP em Luanda, ano 1961, levou-me ao impulso de te fazer uma pergunta, tive lá amigos e familiares nessa época, elementos da PSP, (António de Freitas ou Fernando Costa) dizem-te alguma coisa? Viviam no bairro da PSP (TERRA NOVA) lá no alto a caminho do quartel do Exército (GRAFANIL)!
UM Abraço
Páscoa

edumanes disse...

Amigo António, estive na 7ª. Esquadra da PSP, de Angola, em Luanda, de Junho de 1969 a Janeiro de 1970. falo dos acontecimentos de 4 de Fevereiro de 1961, por conhecimento através dos orgãos da comunicação social, e pelos relatos dos que lá se encontravam nessa data. É possível que me tenha cruzado com as pessoas cujos nomes referes. Passei várias vezes junto do Grafanil, porque estive a fazer serviço no sub-posto da Polícia da Rádio-de-fusão portuguesa, que ficava antes do controlo na estrada de Catete, à esquerda, a seguir ao Grafanil.
Belos tempos que já não volta mais!
Não sei se sabes, a 7ª. Esquadra da PSP, em Luanda, era como um grande quartel do Exécito, passavam por lá sentenas de elementos ligados à Polícia, que depois seguiam para os restantes comandos distritais. Todas as Companhias Móveis de Polícia, que saiam de Lisbao para Angola, ficavam aquarteladas naquela unidade policial, até seguirem para outros comandos.

Aquela Luanda maravilhosa,
Que com muitas saudades recordo
É tão linda e tão formosa
A pensar nela, a dormir e quando acordo.

Bom fim de semana
Um abraço
Eduardo.

António Querido disse...

Amigo Eduardo, obrigado pelos esclarecimentos, mas nessa data, já eles lá não estavam, e eu já sem farda ia a caminho da França à procura de novos Comandos, cheguei a Luanda em 63, estive algum tempo na ilha do cabo e fazia serviço no Comando Naval, situado na Marginal de Luanda, tinha contactos com elementos da PSP porque mesmo ao lado do Comando naval havia uma esquadra, como se designava não me lembro, mas fazía-mos rondas conjuntas pelas sanzalas próximas da Terra Nova, depois vínha-mos para o camarão, cuca e Nocal, grandes tempos meu Amigo, que saudades, se algum dia conversar-mos pessoalmente temos que meter as nossas histórias em dia!
Um grande Abraço
Páscoa

António Querido disse...

Correcção, estes meus amigos da PSP em Luanda, assim como o Laranjeira da FIG. da FOZ, vieram com a descolonização, 75/76, peço desculpa ao Eduardo!
Abraço