quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

" Que Parva sou eu" Dos Deolinda

"Zé Povinho" = Continuação
  riodouroniassa.blogspot.com
     Muito se tem dito e escrito  sobre a canção dos Deolinda "Que parva sou eu". Hino geracional? Canção de protesto? Exposição nua e crua de uma política económica absurda e suicida?
Não é só a minha geração que revela uma preocupante falta de inteligência por suportar esta situação. São as gerações que estão no poder político e económico, nascido no 25 de Abril e proliferando com filhos e enteados e transitados directamente para as juventudes partidárias e dali para os comodos assentos de S. Bento ou os luxuosos escritórios na banca ou nas empresas que exibe uma galupante e febril estupidez.
Implantados os seus lideres fundadores da dita democracia portuguesa Sá Carneiro, Soares, Freitas do Amaral, Cavaco, Soares,  Eanes, Alegre e tantos e tantos outros que usufruíram de condições únicas para desenvolver o país. Em vez de isso dedicaram-se a acumular perivilégios, salários principescos e a dar e a trocar favores nas câmaras, nas empresas,nos bancos. Também foram eles que transformaram a precaridade num objectivo. De tanto fazê-lo  criaram um clima insustentável cujos reflexos mais crueis estamos a ver todos os dias.
Uma pergunta pertinente ou talvez não!!! Como se pagarão as reformas  nas próximas décadas, se se acentuar o decréscimo das remunerações e da qualidade de vida das populações?

2 comentários:

Fuzo de agua doce disse...

Tens toda a razão, os Políticos que nos têm Governado falharam redondamente, os que estão agora no poder limitaram-se (e não foi pouco)a agravar o que já vinha mal de há muito, e as perspectivas não são nada boas em relação ao futuro.
Um abraço
Virgílio

edumanes disse...

Para alguns qualidade de vida,
Porque outros nunca a tiveram
Dizem que a culpa é da dívida
Então porque, razão, a fizeram?

Por não serem altruístas,
Muitas coisas podem acontecer
Será por causa dos vigaristas
Que a dívida está acrescer?