quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Moçambique no centro da história


A vida não tem idade
riodouroniassa.blogspot.com
Com muita pena minha, não tive a felicidade de ter podido estar na apresentação do Livro, pois só tive conhecimento depois do evento realizado.
Achei interessante a forma como a escritora aborda o problema e desenvolve a história, quando não escondeu o facto de nunca ter estado em Moçambique e tudo o que escreveu foi-lhe contado por um amiga.
Acredito que ela se tenha emocionado e mesmo se deixado envolver, pois já passei por essa experiência e não visitei um país pelo conhecimento que tinha da discriminação que havia e estou a referir-me ao Brasil de outros tempos já lá vão umas dezenas de anos.
O livro foi apresentado na Câmara Municipal de Penafiel
UMA VIDA COMO TANTAS OUTRAS da autoria de Daniela Cunha Alves.
"Uma vida como tantas outras retrata a história de Ana, uma jovem médica que impulsionada pelo destino, parte para Moçambique, numa viagem inigualável que muda a sua vida tanto no campo pessoal como sentimental Maria Luisa Osório, poeta e responsável pela apresentação do livro, louvou Daniela Cunha Alves, referindo as suas qualidades enquanto escritora " é incrivel pensar que a autora nunca esteve em Moçambique mesmo assim sentimo-nos transportados devido a toda a envolvência e descrição minuciosa que a história relata,: referiu.
A autora do livro que conta com a afeição dos que a conhecem e confirmou o que já tinha sido dito anteriormente, " não conheço Moçambique, foi uma amiga que teve uma experiência nesse país e que me inteirou sobre a vida e a cultura Moçambicana.
Acredito muito no amor e acredito na vida, por isso, não poderia escrever outra coisa.
Quanto a mim acredito que o amor tem destas coisas.

5 comentários:

Valdemar disse...

Tendo visitado inúmeras ex:colónias de várias potências europeias, gostaria de dizer que ficou uma espécie de magia nas que foram portuguesas... E tenho a certeza que Moçambique será dentro de poucos anos um destino turístico por excelência no Continente Africano... Aliás neste momento mas só na Escala Milionária há Resorts de Luxo (e quase secretivos servidos pelo aeroporto de Porto Amélia) que são frequentados por uma clientela exclusiva e cheia de maningue de notas... Infelizmente para mim, se lá voltar... IREI TER QUE IR MOCHILA E DORMIR NALGUMA PALHOTA!
Valdemar Alves

Artur Sousa (Leiria) disse...

E vão dois...

Valdemar disse...

Mas Cuidado que a maria tem picho.
É melhor entrar na Palhota de dia.
Que saudades tomar um Banho à Nianja e um franguimho de Churrasco à Macua.
Ai que saudades da Mista Luisa e da Cabo Verdeana Teresa Bela.
Recordar é mesmo viver duas vezes. Senti qualquer coisa a dizer presente, garante que não era das formigas. Bons Velhos tempos que ainda faz aquecer.

António Querido disse...

Ai,ai,MOÇAMBIQUE,ai, ai, queria lá saber onde dormir, se me dessem à escolha, entre um luxuoso hotel, e uma palhota,não pensava duas vezes, escolheria a palhota para sentir aquele cheirinho a churrasco, quentinho do sol da sanzala!

edumanes disse...

Quem no amor não acredita,
Também amor não tem para dar
Quem pela liberdade não grita
Nunca a poderá alcançar?

Ana por Moçambique andou,
Para as verdades descobrir
Boa gente a informau
Para no seu livro referir.

Um novo mundo conheceu,
Não estará arrependida
Em Moçambique aconteceu
Naquilo em que acredita.

África não é o que se dizia,
Pretendiam espalhar o terror
Quem dizia que mal não fazia
Também, a ninguém tinha amor!